Histórico

Curso recomendado pela CAPES: Conceito 3. Reconhecido pela Portaria MEC: Nº 612/2007, de 22 de junho de 2007, publicado no DOU de 25/06/07.

Conceito 4. Reconhecimento pela Portaria nº 1.077, de 31 de agosto de 2012, publicada no DOU de 13 de setembro de 2012.

No ano de 1985 deu-se a criação do Curso de Geografia - Bacharelado e Licenciatura - da então Faculdade de Ciências Humanas de Francisco Beltrão (FACIBEL). Esse curso foi, naquela ocasião, implantado através da transformação do antigo curso de Estudos Sociais - Licenciatura Curta, criado na mesma faculdade, em 1975. Em 1999, transforma-se a FACIBEL em Campus da UNIOESTE (Universidade Estadual do Oeste do Paraná). Esse acontecimento definiu o caráter público aos cursos que a antiga instituição oferecia, incluindo o de Geografia, sendo que o reconhecimento desse curso já havia ocorrido através do Parecer nº 403 datado de 18/11/1986.

Com a efetivação do processo de estadualização, de um curso noturno, que oferecia setenta e cinco vagas, passou-se, em 2001, a oferecer quarenta vagas tanto no período noturno como no matutino. Até o ano de 2004, foi mantida a formação integralizada entre licenciado e bacharel, contando com um regime seriado de cinco anos. A partir desse ano, foi implementada uma nova grade curricular que separou as duas habilitações antes oferecidas de forma integralizada. O Bacharelado restringe-se ao período matutino, traduzindo-se num curso autônomo e regulado por objetivos diferentes dos pretendidos pela Licenciatura.

Além dessas mudanças ocorridas na formação da Unioeste, várias outras transformações vêm acontecendo no sentido de aprimoramento das atividades desenvolvidas. Há, de maneira bastante significativa, o fortalecimento dos cursos de graduação e pós-graduação através do crescente incremento em termos de infra-estrutura, quadro docente e produção do conhecimento, que repercutem nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Tal fato culmina hoje, certamente, em uma qualidade de formação profissional que tende a crescer, expandindo as possibilidades de atuação dos acadêmicos formados.

Ao mesmo tempo, no que se refere à geografia, realizaram-se alguns cursos de especialização e vários eventos, como o Encontro de Geografia da Unioeste (ENGEO), acompanhado do Encontro de Geografia do Sudoeste do Paraná (ENGESOP); a Jornada sobre o Trabalho; o Seminário de Pesquisa e Extensão e o Colóquio de Iniciação Científica do Centro de Ciências Humanas da Unioeste; o Seminário Estadual de Estudos Territoriais e o Seminário Nacional Interdisciplinar em Experiências Educativas. Parte desses eventos são organizados por grupos de pesquisa vinculados ao Centro de Ciências Humanas - Francisco Beltrão, que tem, atualmente, cinco grupos cadastrados na PRPPG da Unioeste e no Cnpq. Além disso, há mais dois grupos de estudos vinculados ao curso de Geografia (Licenciatura, com 40 vagas no turno noturno, implantado em 1997) e ao Centro de Ciências Humanas, Educação e Letras da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon.

Essas atividades se encontram, agora, com a efetivação do curso de pós-graduação em geografia, no nível de mestrado, que une professores dos cursos de graduação, de Marechal C. Rondon e Francisco Beltrão, no intuito de fortalecer a formação profissional, a pesquisa científica e a produção do conhecimento, centrada na ciência geográfica, com um caráter histórico-crítico e como subsídio e mediação no processo de conquista de melhores condições de vida.

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Geografia da UNIOESTE - Campus Francisco Beltrão, atende a uma série de demandas regionais em relação à formação de pessoal qualificado para atuação em vários níveis do mercado profissional. As regiões Sudoeste e Oeste do Paraná, Oeste de Santa Catarina e Noroeste do Rio Grande do Sul têm cerca de dez cursos de graduação em Geografia (Licenciatura e Bacharelado), o que gerou uma demanda pela qualificação de docentes e pesquisadores para suprir as necessidades dessas IES. Além disso, há uma demanda efetivada por órgãos governamentais, como o IBGE, o INCRA, a EMATER, o IAP e não governamentais, como a Assesoar, nos quais a ciência geográfica tem sido fundamental para subsidiar estratégias que visem um desenvolvimento territorial em consonância com as novas preocupações com o meio ambiente.

Ao mesmo, há profissionais com conhecimentos na área de Geografia em empresas públicas e privadas que carecem de melhor formação e de maiores subsídios teórico-metodológicos para sua atuação. Dessa forma, a análise crítica, tanto empírico-reflexiva como no nível epistemológico, são fundamentais para a interpretação e representação do espaço e do território. Nesse contexto, acreditamos que o Programa de Pós-Graduação em Geografia da Unioeste, no nível de mestrado, centrado nas linhas de pesquisa intituladas Desenvolvimento econômico e dinâmicas territoriais e Dinâmica, utilização e preservação do meio ambiente, pode mediar e fortalecer o processo de produção do conhecimento, com uma compreensão multidimensional das correlações que se estabelecem historicamente entre a sociedade e a natureza. Isso requer uma reflexão que abranja o desenvolvimento econômico, os processos territoriais, bem como a dinâmica, utilização e preservação do meio ambiente.