O PROGRAMA

Missão: Formar mestres e doutores em Engenharia Agrícola nas áreas de concentração "Sistemas Biológicos e Agroindustriais" e em "Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental", tendo como princípios norteadores a multidisciplinaridade e a interdisciplinaridade, que induzem a formação de um pesquisador inovador e atualizado nas questões agroindustriais e ambientais sustentáveis.


Histórico: O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola (PGEAGRI) da Unioeste ofertou os primeiros cursos de Mestrado e Doutorado nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná. Iniciou suas atividades com o curso de Mestrado no ano de 1997. No ano de 2004 o PGEAGRI obteve o conceito 04 pela CAPES, iniciando uma reestruturação do programa, com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento das linhas de pesquisa; a qualificação, e a capacitação de recursos humanos, considerando a demanda e a inserção regional e o Plano Nacional de Pós-graduação 2005. Tais mudanças resultaram na autorização da CAPES para implantação do Doutorado, com início de suas atividades em agosto de 2006. A partir de 2011 o PGEAGRI passou a ser constituído pelas seguintes áreas de concentração: Sistemas Biológicos e Agroindustriais-SBA e Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental – RHESA. Em 2013, a Avaliação Trienal (2010 -2012) da Capes reconheceu a competência do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola com a atribuição do conceito 5. A elevação do conceito do programa é o resultado do esforço contínuo e coletivo de docentes, discentes e funcionários do PGEAGRI.


Palavra da Coordenação (2014 - 2016): O PGEAGRI tem como metas principais: (1) a intensificação da produção científica, priorizando publicações em periódicos de estratos A1, A2 e B1, dando apoio a tradução e envio de trabalhos em periódicos de destaque; (2) ; aumentar a internacionalização do programa, através da participação de docentes e discentes em eventos científicos internacionais; do aumento de convênios internacionais; incentivando o intercâmbio entre discentes, docentes e pesquisadores visitantes; e estimulando a capacitação dos seus docentes, em nível de pós-doutorado, fora do Brasil.; (3) consolidar a inserção regional com parcerias com universidades e empresas do Oeste do Paraná.